Arquivo da categoria: Utilidade Pública

Atividades externas:

Padrão

DSC_0244

Isso já aconteceu com você?

Então não perca a “Dica amiga” sobre como recuperar maquiagens quebradas no www.mulherzinhas.wordpress.com!

Ana Letícia.
@analeticia

Atividades externas:

Padrão
Atividades externas:

E hoje foi dia de “Dica amiga” no <Mulherzinhas.wordpress.com>…

Uma pirueta… duas piruetas… Bravo! Bravo! Ópera e Ballet no cinema, sim senhor!

Atividades externas:

Padrão
Atividades externas:

Dica legal de um produto que funciona no <Mulherzinhas.wordpress.com>!

Mulherzinhas.wordpress.com

 

Espero vocês lá!

Ana Letícia.
@analeticia

Pausa.

Padrão

IMG_0019

De vez em quando o peito aperta, como se fosse um mau pressentimento ou algo do tipo.

Na noite de 11/01/2011 não foi diferente. Resolvi telefonar. Liguei uma, duas, três vezes. Caixa postal.

Na quarta tentativa, não foi ele quem atendeu. Me foi dito que ele estava em uma situação delicada, impossibilitado de falar ao telefone. Veio uma pontada em meu peito, a certeza de que algo estaria acontecendo.

Hora e meia depois atendi meu telefone. Desta vez era ele quem ligava, dizendo que já estava bem. O problema havia sido um defeito na fechadura do banheiro, que o deixou alguns (muitos) minutos trancado por dentro. Culminou com a desmantelação das dobradiças, para que a porta se abrisse, com direito a ferramentas pela janela e tudo mais.

O pior havia passado, pensei. Mais calma, dormi.

No dia seguinte, em meio aos afazeres profissionais, fico sabendo por e-mail que Teresópolis, Nova Friburgo e Itaipava (Petrópolis) estavam caóticas por causa das chuvas…

O resto virou história: http://olhaosemblante.blogspot.com/2011/01/voltemos.html.

Ana Letícia.

Ps. 1: Foto tirada em abril/2010. Assim era o rio em Itaipava que destruiu o Vale do Cuiabá na enchente do dia 12/01/2011.

Ps. 2: Para ajudar as vítimas da enxurrada que varreu a Serra Fluminense, acessem o G1.

O Castelo

Padrão

E o CASTELO DO POETA está no ar!

Trata-se de um portal alternativo, um canal de arte, cultura, eventos, cinema, poesia, literatura, entre outros, capitaneado pelo poeta João Lenjob.

Em breve colaborarei por lá…

Acessem e divirtam-se!

www.castelodopoeta.blogspot.com

O Castelo do Poeta

Ana.

Fui, votei e voltei

Padrão
Beca dependurada
[…] Por que determinado partido recebe mais votos? Por que certo candidato é eleito numa eleição e é preterido em outras? O que muda na cabeça dos eleitores? […]

O voto é a indicação, pelo eleitor, do candidato ou candidatos de sua preferência. Todavia, este instrumento de participação na vida política se insere dentro dos direitos políticos do cidadão, e abrange não só o ato de votar, como também o ato de ser votado, tornando-se, então, um conjunto de condições que permitem ao cidadão intervir na vida política. […]

No decorrer da curta história do Brasil, o povo foi se colocando à margem dos destinos da Nação e assim, fez crescer uma idéia negativa de que no Brasil não são encontradas as condições necessárias para a implantação de um processo democrático verdadeiro. Cabe esclarecer que em nosso País as eleições têm sido realizadas desde a Colonização, com características peculiares em cada momento histórico.

A forma de legitimação concedida pelo sufrágio popular em outras épocas, não se fazia através dos votos dos cidadãos como se conhece hoje. Inicialmente, tal acontecia de forma indireta e em vários turnos. Posteriormente, adotou-se o sufrágio de forma direta e em turno único, mediante o prévio alistamento e sua conseqüente formação do colégio eleitoral. Em determinados momentos, admitia-se o voto censitário, expressamente autorizado na Constituição de 1824.

A renovação na democracia decorre de um exercício constante do poder de seleção. […]

A perspectiva otimista que se apresenta no Brasil de hoje está longe de se apoiar na inteligência dos eleitores, uma vez que a lei confere aos cidadãos a apenas a capacidade natural do voto, mas não cultura e discernimento a quem não os possui de fato. Como conseqüência imediata, temos que a política se transforma em monopólio dos políticos, isto é, dos que fazem da política profissão e meio de vida. A maioria de nossos representantes, infelizmente, utilizam-se da política e do voto como um instrumento referendatário para a sua permanência no poder e consecução da sua vontade individual.

Existe um ditado popular que apregoa: “vão-se as leis aonde estão os Reis”, o que sugere que o Direito, a norma ou, no mínimo, a resposta que o aparelho judicial irá fornecer na sua missão de dirimir lides, são guiados por motivos políticos e sociais – a solução sempre poderá ser tendenciosa, poderá inclinar-se para o lado dos mais poderosos. Se verdadeiro, este fato atenta contra a consciência popular, para dizer o mínimo. Afronta os princípios constitucionais sobre os quais o ordenamento jurídico brasileiro é erigido. Na verdade, é uma afronta ao próprio direito, em um Estado de Direito. […]

Trecho extraído da “Introdução” à minha Monografia de Graduação, apresentada em 2003 na UFMG… É rapaz, voto é coisa séria…

Vale a reflexão, né?

Ana.

TRAPICHES # 1 !

Padrão
TRAPICHES

Está no ar!!!

O n° 1 da TRAPICHES, a revista eletrônica sobre arte e cultura do nosso Projeto Macabéa, acaba de ser lançada! Agora vocês podem navegar à vontade pelas 22 matérias, dividas pelas seções: Grãos, A Granel, Boneca de Pano, Olho Mágico, Secos e Molhados, Presentes Finos e Perfumaria. Há de tudo um muito: entrevistas, crônicas, contos, poemas, críticas, etc… E ainda tem o Extrapiches, que traz o nosso Cais, sempre com uma seleção de 10 blogs indicados pela Revista. Se quiser, aproveite e inscreva-se no 1° Concurso Literário e mostre seu talento.

Enfim… É muita coisa!

Acessem aqui: www.trapiches.com.br, e boa leitura!

Trapiches, O Poema
Por Paulo D’Auria
Trapiches trapézios entre a terra e o mar, Linha de pescar trapizongas no cosmo, Cosmopolita zurrar, Zorra no cosmódromo, Pó de estrelas, Pó de arroz, Cais do caos.

Tra-pixote chupando picolé,
Cabloco coçando o pé,
Folk-lore,
Urbs-lore,
Urblore.
Piracema tra-pirética,
Pororoca tra-pirática à beira do ar,
À beira do espaço sider-all.

Atracadouro,
Atraca ouro,
Atraca all,
All q mia,
Que late,
Que ruge,
Q-bom,
Q-boa,
Q-suco,
Garapa no quilombo,
Batucada na congada,
Jegue na jangada,
Mula desempacada.
Balaio de mico-leão listrado, de gato, de cão vira-lata na raça.

Abracadabra,
Farol que surge tra-pichando mil mega píxels no muro das idéias, Ar-chote, xote, xaxado, Achado.

Armazém, arma-cem,
Dispensa indispensável,
Trampolim fígado e rins,
Swimming pool cérebro e vísceras,
Maníaco do parque com Jack the Ripper,
Brainstorming com Bram Stoker
Destrinchando,
Reliquidificando,
Canibalizando,
Regurgitando
Engenho e arte.
Caldeirada do diabo,
Botocuda na caruda,
Mungunzá com quiabo.
A canção que Maria oferece a João.

Colcha de retalhos,
Filha de Macabéa com Jerico,
Diga ao povo que fico.

Você já leu a Trapiches, nego?
Não?
Então lê!

Ana.

HOMENS: Ogro do Pântano x Troglodita Highlander

Padrão

Buzz Lightyear de Lego, em tamanho real!

Queridas leitoras,

Ser mulher no século XXI não é fácil, ser homem também não deve ser. Entretanto, há certos hábitos masculinos que incomodam e assustam profundamente qualquer dama moderna, antiga ou até mesmo da idade média. (Isso para não dizer que qualquer uma broxa vendo isso, e cai por terra toda e qualquer possibilidade de “créu”, já que o monossílabo está na moda atualmente…)

Pois então. Pensando no bem estar das mulheres que lêem este blog, no telecoteco depois do jantarzinho romântico e, é claro, na boa imagem dos machos de plantão que me prestigiam por aqui, classifiquei os homens em duas “catigurias”:

  • Ogro do Pântano – faz tudo de nojento que quase todo homem faz. Apesar de todos saberem que tais atos (ou a falta deles) seriam o cúmulo da nojeira, tais são socialmente aceitas desde a idade da pedra, infelizmente;
  • Troglodita Highlander – a famosa “visão do inferno” para uma mulher. Não só faz coisas nojentas, como também consegue potencializá-las a níveis nunca dantes imaginados. Ânsia de vômito e antipatia mortal é o mínimo que pode causar em qualquer mulher normal.

Preparados? Apontados? Então segura na mão de Deus e vem comigo!

– Homem coçando o saco em local público: Ogro do Pântano
– Homem coçando o saco por dentro da calça em locais públicos: Troglodita Highlander

– Homem palitando os dentes em público: Ogro do Pântano
– Homem palitando os dentes em público, porém colocando a mão por cima achando que despista alguma coisa: Troglodita Highlander

– Homem que rói unha: Ogro do Pântano
– Homem que rói unha, coça o saco, e rói unha novamente: Troglodita Highlander

– Homem com as unhas do pé grandes: Ogro do Pântano
– Homem com as unhas do pé grandes, com micose, fungos e o pé sujo e com chulé: Troglodita Highlander

– Homem com cabelinhos saindo para fora do nariz e da orelha: Ogro do Pântano
– Homem que fica tentando retirar com a sua pinça de sobrancelha, na sua frente, no espelhinho do carro, os cabelinhos que ficam saindo para fora do nariz e da orelha: Troglodita Highlander

– Homem que arrota alto e em público: Ogro do Pântano
– Homem que arrota alto, em público, e em cima de você, assoprando na sua cara para espalhar o “cheirinho”: Troglodita Highlander

– Homem que fica observando e admirando a camisinha usada na sua frente: Ogro do Pântano
– Homem que enche a camisinha usada de água e aperta, brincando como se fosse um balão: Troglodita Highlander

– Homem que usa cueca furada: Ogro do Pântano
– Homem que usa cueca velha, poída, furada e patacada (a famosa freada de caminhão): Troglodita Highlander

– Homem que não tira a meia pra transar: Ogro do Pântano
– Homem que só abre a braguilha da calça na hora agá: Troglodita Highlander

– Homem que não usa fio dental: Ogro do Pântano
– Homem que passa fio dental deixando a sujeira pipocar em quem está do lado e ou come a sujeira que sai no fio dental, em cima da cama: Troglodita Highlander

– Homem que joga a roupa usada no chão, do jeito que tirou do corpo, toda embolada e vai empilhando: Ogro do Pântano
– Homem que acha que é obrigação da mulher catar a roupa suja dele jogada e embolada no chão: Troglodita Highlander

– Homem que não abre a porta pra deixar a mulher passar: Ogro do Pântano
– Homem que fecha a porta na cara da mulher depois de passar primeiro (ou seja, nem segura a porta pra pobre passar): Troglodita Highlander

– Homem que dá dinheiro pra mulher comprar o próprio presente de Natal ou aniversário: Ogro do Pântano
– Homem que simplesmente esquece e ou ignora tais ocasiões: Troglodita Highlander

– Homem que esquece o nome dos parentes da mulher: Ogro do Pântano
– Homem que esquece o nome dos parentes da mulher e ainda por cima chama todos eles de “tiozão/tiazona”: Troglodita Highlander

Ahhh, tá bom, né, acho que deu pra sentir o clima… (E ainda assim a gente continua insistindo! risos)

‘Té mais!

Ana.

Obs. 1: Este texto não seria escrito não fosse pela colaboração e as boas risadas junto com minha amiga e Bela.
Obs. 2: É claro que sei que não existe homem perfeito. Ou melhor, se é que existe, deve ser gay. Mas não custa nada prestar um pouquinho de atenção nas próprias ações, ser mais asseado e ter mais consideração com a gata que está com você! 😉

(Foto e texto: Ana Letícia.)

Meu tio é o cara!

Padrão
Então…

Só meu Tio Jaques mesmo. Diretamente de Palmeirópolis, no Tocantins, saudoso do restante da família que vive espalhada pelo Brasil, vive a fazer graça, mandando os videozinhos mais hilários pro Youtube… E não é que ele descobriu um novo “talento”?

Com vocês… MAICOW NITE! O mais recente hit ‘youtubesco’!

Ana.

Ps.: Este vídeo já foi copiado no youtube por mais 02 pessoas, confiram:

* Update: Acreditem se quiser, o vídeo do “Maicow Nite” (versão legendada) está no portal UAI!

CHAPÉU PANAMÁ: Gravação do CD – Ao Vivo

Padrão

Chapéu Panamá