Arquivo da tag: crônica

Do amor e suas implicações

Padrão


E qual amor que não dói, ainda que um pouquinho? É preciso ter coragem para amar e se permitir ser amado, para assumir o amor em todas as suas possibilidades e desafios, para sentir o amor com tal intensidade que seu peito parece que vai explodir, para querer chorar de felicidade a cada declaração, para sentir saudade a ponto de doer a garganta, a coluna, o pé… É preciso coragem pra viver, pra ser feliz, pra fazer escolhas, pra amar a si mesmo e se cuidar tão bem, pra permitir que o outro também te goste, te admire, te cuide – principalmente naqueles dias em que você não consegue fazer nada disso por si mesmo. O amor descoberto é como ganhar na loteria, ser correspondido é ganhar duas vezes! Com a maturidade adquirimos manias que a gente aprende a lidar com elas – as nossas e as dos outros -; e se juntarmos a isso o amor, a gente passa a entender que também ama a mania do outro, a ponto de respeitá-la e não querer mudá-la. E então enxerga que amar também é respeitar. Entende que só se muda por si mesmo, e não em função do outro, e que pra mudar qualquer coisa é preciso, de novo, de muito amor (que anda junto de sua companheira, dor) e coragem. Entende que é preciso fazer concessões, e assim a gente se sente feliz em poder fazê-las. Entende que é preciso sabedoria para aceitar o que o outro pode te oferecer, seja um pequeno gesto (pra ele) que se enche de um enorme significado (pra você ou pros dois); e que se deve oferecer ao outro a sua melhor parte, sempre, seja o último e delicioso pedaço de mamão da geladeira, um espaço no seu guarda-roupas, ou o seu melhor sorriso depois de um longo e cansativo dia de trabalho. E passa a amar as roupas não guardadas, o cheiro dele nas que estão usadas, a toalha molhada e o cheiro de banho que ele deixou em sua casa. E eu não sei como terminar este texto, pois o amor não tem fim, ele transforma, transborda, aquece, se molda, inspira, expira…

Ana.

Inspirada por este texto: https://www.facebook.com/SpottedUnB/posts/405924412932657

(Texto e foto: Ana Letícia.)

** Todos os direitos reservados à autora. **

Tela em branco

Padrão

E quando você acha que de tudo já aconteceu na sua vida, que já fez tanto e já conheceu lugares e pessoas de todo tipo, quando você acha que só teria mais uns poucos caminhos possíveis pra seguir adiante, vem a própria vida e te entrega uma tela em branco; então, o que fazer? Há quem procure uma caneta ou lápis de colorir, canetinha hidrocor ou giz de cera, há quem projete imagens animadas e sons, há até quem se cubra com o pano; já eu me jogo, me enrosco, deito e rolo e invento coreografias, figurinos e, então, me permito sonhar na tela grande, e quando me pego assim, sonhando de novo, entendo a grandeza do momento que se descortina a minha frente, o meu “momento tela em branco”; depois dele, o que existe são possibilidades, sonhos dentro de outros sonhos, e entendo que tudo (e nada) que vivi antes me preparou para o que virá, por ser inédito; protagonizo a pré-estreia de algo que ainda não aconteceu, que não sei o que é, pois a tela em branco da minha vida está começando agora.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

** Todos os direitos reservados. **

De quando eu vivi

Padrão


Não me lembro mais do tempo em que eu somente existia. O sobreviver era muito mais do que eu mesma poderia me dar. O sorriso engessado, os pés enraizados no chão de concreto, o céu me era inalcançável. Naquele tempo, do qual não me lembro mais, a visão era curta e daltônica, a existência era turva e meu corpo era revestido de uma armadura de minério de ferro, o que tornava difícil o movimento, porém me protegia das intempéries do inverno existencial.

Mas eu quase me lembro com exatidão do dia em que fui tocada por uma luz tão forte que me tornou cega para o que se foi, e me fazia então ver o que se encontrava mais à frente. E por não poder ver o escuro em que antes estivera, passei a inventar cores e ouvir coisas que há muito não ouvia, por puro encantamento. Minha armadura se liquefez e, pouco a pouco, deixei-me deslizar em direção ao sol que me extasiava, me aquecia. E quanto mais perto, mais sorrisos espelhados, sensações inesperadas, abraços surpresa, eu já não temia me queimar. E então descobri que antes eu apenas jazia, e que agora vivo sem arremedos de felicidade, completamente recheada do mais puro brilho estelar, da gargalhada mais gostosa, o tempo a sorrir e minha alma a cantar, cantar, cantar…

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

** Todos os direitos reservados. **

A hora mais bela

Padrão

Na hora mais bela, em que os gatos são pardos, o prenúncio da noite que ainda não é determina o exato instante em que o general caminha de volta pra casa. Leva consigo uma pequena pasta de couro, com documentos da lida diária. Mas o que há dentro da pasta não importa, o que nos interessa é saber que o general caminha com um segredo – que já não é tão secreto assim…

O imponente general é visto por aí com um brilho diferente em seus vivos olhos e um sorriso faceiro que insiste em se fixar… Alguns soldados vinham comentando entre si que o general já não era mais o mesmo, além da farda mais bem passada que o costume, a cada dia aparecia mais perfumado, sempre com um cheiro novo. Teria sido tocado o general por uma doçura suficiente para amolecer seu coração?, pensavam, ingênuos. É que muitos não sabiam que o general, no fundo, não tinha o coração de pedra. Pelo contrário, sua alma era tão poética e amanteigada quanto o mais leve croissant de um café na Rive Gauche. Seu coração era tão grande e macio quanto o mais romântico dos mortais, doce como um pastel de nata, com um toque de canela.

E na hora mais bela, o general caminha leve, levando consigo o sorriso permanente, o brilho que transpassa a alma e ilumina de amarelo as sombras, e o segredo que não é secreto. Fita o horizonte crepuscular procurando pelo irrepetível, pelo tempo que passou e pelo que ainda está por vir, e, estendendo uma das mãos, tenta tocar uma nuvem cor de rosa, como quem tenta prender o tempo que corre por entre os dedos. E então, em resposta, o céu alaranjado, quente como certos lençóis, abraça longamente o general, e uma brisa suave toca seus cílios, lambe a ponta de seu nariz, beijando seu rosto e sussurra mais um segredo em seus ouvidos: “Permita que o poeta em mim não cesse…”.

O general em silêncio contemplativo permanece, iluminado pela própria luz que irradia, abala o inabalável explicando o inexplicável ao descompassado e insensato coração, assoviando um fado alegre sobre a vida, bela, dela.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

** Todos os direitos reservados.**

O prenúncio

Padrão

BlurExisto, antes do prenúncio. Anuncio antes do fim o sentir de cada ponto, o que um dia eu fui. O que sou hoje é o retrato da mocidade que ainda existe em mim, persiste apesar do tempo inexorável.
Não me permito mais brincar com sentimentos, não tolero mais certas coisas, me afasto do que me faz mal. Já armei defesas contra ataques que nem existem, e com isso me fechei num paradoxo existencial que se iniciou com palavras, ou com a ausência delas.
Sou contraditória e prolixa – mas há quem goste. Ando por aí com a sensibilidade de uma pétala, minha mente viaja em bolhas de sabão, balões de gás sobrevoando a Capadócia – ou qualquer outro lugar distante e maravilhoso do mundo –  em sementes sopradas de um dente de leão, flutuando em jardins desconhecidos.
Aprecio quem sabe se deleitar com os pequenos gestos, os minúsculos momentos de alegria, tornando-os maiúsculos, por isso faço riso do meu choro, fotografo o vento e o brilho das sombras, e envio meu fôlego perdido por correspondência – há quem o receba.
Não perca seu tempo, me dizem constantemente. E se não sei o que fazer com ele, o meu tempo? E se eu já perdi tempo demais? Apenas ele, o próprio tempo, me dirá.
A catarse (des)necessária de palavras assegura a (in)sanidade mental, já que ninguém quer ser/estar na média, nem ser totalmente (a)normal, não é mesmo?
Prefiro escrever em linhas tortas a chegar num ponto sem final, e as interrogações são as flores na beira da estrada. Preciso andar mais, só que ando devagar porque já tive pressa, como diz aquela canção, e escolho palavras mesmo sem querer.
Quero que o medo vá embora e que as palavras me escolham. Quero sentir o que nunca senti, quero o acima da média, louco e surreal. Quero o sem sentido, o riso fácil, quero as reticências e muitas exclamações!
Sem ponto final(.)

Ana.

Texto e foto: Ana Letícia.

** Todos os direitos reservados. **

Eu vi: Elena, o filme

Padrão

Assisti “Elena”, o documentário de Petra Costa sobre sua irmã, há dois dias. Somente hoje consigo escrever algo sobre o filme, após digeri-lo, ruminá-lo e engolir novamente.

E então chego à conclusão de que, definitivamente, Elena não é um filme para qualquer um, para qualquer hora, e, principalmente, Elena não é um filme para se esquecer. Talvez por isso mesmo que, talvez, Elena não seja um filme para se recomendar. Seu realismo e construção exigem dedicação e sensibilidade do espectador. Não me sinto confortável em escrever esta crônica, como não me senti confortável ao assistir o filme, durante a sessão. Mas ainda assim, não consegui sair da sala de cinema e largar Elena ali, sem minha respiração tensa, sem minha angústia velada.

O filme é sensível, e talvez a sua sensibilidade extrema tenha me atingido como um murro, desses que você lembra dias a fio, como um zumbido no ouvido que não te deixa dormir após uma noitada com som muito alto.

As imagens de Belo Horizonte e as gravações reais exibidas durante todo o filme, bem como o mineirês das personagens – nada ficcionais – me transportaram à BH nos anos 80, quando morávamos na Rua Alto da Mata na Cidade Nova, e eu ainda era tão criança quanto Petra, enquanto sua irmã Elena ganhava os palcos em São Paulo. Se eu fosse 10 ou 12 anos mais velha, provavelmente teria conhecido Elena…

Além da nostalgia do meu próprio passado, gostei das imagens gravadas com uma pequena câmera fotográfica em Nova Iorque, pela própria autora, diretora e personagem real Petra, dando o tom biográfico e, ao mesmo tempo, se aproximando de mim e minha Nikon D3100, meus muitos sonhos e alguns projetos não realizados. Minha amada Nova Iorque jamais será a mesma após Elena, não para mim.

As últimas falas do filme, na voz de Petra, e suas últimas imagens, não me deixarão esquecer de ti, Elena, controversa, dançarina, atriz, mulher.

20140731-144755-53275378.jpg

Ana.

(Texto escrito em Curitiba/PR, 24 de maio de 2013.)


Atualização: Meu interesse em ver este filme nasceu com a leitura do texto sobre ele publicado pela Aline Souza, no blog Escritus Infinitus.

A Queda

Padrão

20130528-103658.jpg
É sempre assim, grandes expectativas, maiores decepções
Acontece com uma festa que não é nada daquilo que você esperava, um almoço que nao aconteceu, um beijo que não se encaixou.
Quantos tombos terei de levar para aprender a não cair mais?
Quantas vezes mais me levantarei?
Fico cansada da vida, do tombo, do mundo
E então começa tudo de novo
A vida segue
Esqueço do tombo
Esqueço de mim
Caindo, levantando, entre erros e acertos.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

Entre nuvens

Padrão

Cristal nublado

Vejo nuvens sobre mim
Tudo enquadrado
Vejo migalhas sobre a mesa
Nada doce
Nada em mente
Frutos verdes que despencam
Tal palavras sem sentido
Atenção que disperso sobre inanimados desenhos
Se me mostro sou errada
Me recolho e pioro
E a cada dia um cristal que se quebra
Uma gota que cai
E enche um copo
De esperança
De lágrimas
De sorrisos
De verbos soltos.
Abraços rotos
Tapinhas nas costas
Nunca mais.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

Entre o destino e o delírio

Padrão

Arte de rua no #Sudoeste #Brasília #DF
Os acontecimentos dos últimos dias
Semanas
Meses
Me fazem crer que existe uma força maior
Que nos guia
E nos prega algumas peças
Seria o destino?
A gente se arma de amarras
Pra quê?
Ele vem (o destino?)
e as desata
Joga no lixo
Pisa e sacrifica
Aí você para e vê quanta força
e esforço
e pressa
Foram empregados
E pensa que aquilo tudo é natural
Mas e se a gente foi programado para ser assim?
Morrer assim?
E como fugir das armadilhas
E do fogo
Que te aprisiona?
Te domina e te cerca os pensamentos
Não consigo me acostumar com a ausência
Pois a presença me olha
Acachapante
E me joga na cara a realidade
Que um dia foi
A verdade que já é
Delirantemente
Humana
Fatal
E está morrendo… de calor.

Reminiscências

Padrão

Abaporus revisited edition! Achei o máximo a exposição dos alunos fo Colégio #CIMAN! #arte #pintura #Tarsila #Abaporu
Não sei se é disfarce ou sei lá o quê.
Essa coisa que me encanta e assusta, a novidade que chega (ou não)…
E quem vem lá?
Não vejo, não posso ver.
Por aqui, apenas restam molduras e trejeitos,
Reminiscências em cadernos, realidades ocultas… Incultas?
Verdadeiras tratativas criam objetos impossíveis, impassíveis.
E é assim: vivendo no acaso, brincando descompassadamente, catando desencontros.
E por acaso extrapolei o limite?
Passei da conta?
Pirei na batatinha?
Só sei que amei
Que amei
Que amei
Que
Amei
Amém.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia)