Arquivo da tag: conto

De quando eu vivi

Padrão


Não me lembro mais do tempo em que eu somente existia. O sobreviver era muito mais do que eu mesma poderia me dar. O sorriso engessado, os pés enraizados no chão de concreto, o céu me era inalcançável. Naquele tempo, do qual não me lembro mais, a visão era curta e daltônica, a existência era turva e meu corpo era revestido de uma armadura de minério de ferro, o que tornava difícil o movimento, porém me protegia das intempéries do inverno existencial.

Mas eu quase me lembro com exatidão do dia em que fui tocada por uma luz tão forte que me tornou cega para o que se foi, e me fazia então ver o que se encontrava mais à frente. E por não poder ver o escuro em que antes estivera, passei a inventar cores e ouvir coisas que há muito não ouvia, por puro encantamento. Minha armadura se liquefez e, pouco a pouco, deixei-me deslizar em direção ao sol que me extasiava, me aquecia. E quanto mais perto, mais sorrisos espelhados, sensações inesperadas, abraços surpresa, eu já não temia me queimar. E então descobri que antes eu apenas jazia, e que agora vivo sem arremedos de felicidade, completamente recheada do mais puro brilho estelar, da gargalhada mais gostosa, o tempo a sorrir e minha alma a cantar, cantar, cantar…

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

** Todos os direitos reservados. **

Anúncios

A hora mais bela

Padrão

Na hora mais bela, em que os gatos são pardos, o prenúncio da noite que ainda não é determina o exato instante em que o general caminha de volta pra casa. Leva consigo uma pequena pasta de couro, com documentos da lida diária. Mas o que há dentro da pasta não importa, o que nos interessa é saber que o general caminha com um segredo – que já não é tão secreto assim…

O imponente general é visto por aí com um brilho diferente em seus vivos olhos e um sorriso faceiro que insiste em se fixar… Alguns soldados vinham comentando entre si que o general já não era mais o mesmo, além da farda mais bem passada que o costume, a cada dia aparecia mais perfumado, sempre com um cheiro novo. Teria sido tocado o general por uma doçura suficiente para amolecer seu coração?, pensavam, ingênuos. É que muitos não sabiam que o general, no fundo, não tinha o coração de pedra. Pelo contrário, sua alma era tão poética e amanteigada quanto o mais leve croissant de um café na Rive Gauche. Seu coração era tão grande e macio quanto o mais romântico dos mortais, doce como um pastel de nata, com um toque de canela.

E na hora mais bela, o general caminha leve, levando consigo o sorriso permanente, o brilho que transpassa a alma e ilumina de amarelo as sombras, e o segredo que não é secreto. Fita o horizonte crepuscular procurando pelo irrepetível, pelo tempo que passou e pelo que ainda está por vir, e, estendendo uma das mãos, tenta tocar uma nuvem cor de rosa, como quem tenta prender o tempo que corre por entre os dedos. E então, em resposta, o céu alaranjado, quente como certos lençóis, abraça longamente o general, e uma brisa suave toca seus cílios, lambe a ponta de seu nariz, beijando seu rosto e sussurra mais um segredo em seus ouvidos: “Permita que o poeta em mim não cesse…”.

O general em silêncio contemplativo permanece, iluminado pela própria luz que irradia, abala o inabalável explicando o inexplicável ao descompassado e insensato coração, assoviando um fado alegre sobre a vida, bela, dela.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

** Todos os direitos reservados.**

O filme que nunca existiu

Padrão


Antecipo o beijo, o cheiro, e meu peito se retrai e expande num contínuo, como se o sentisse. A voz ecoa na mente e evoca sentimentos até então adormecidos, gerando imagens de um filme que nunca existiu, mas que poderia muito bem estar em cartaz naquele pequeno cine decadente do centro da cidade. Todo esse movimento de sobe e desce em meu plexo, provocado pela mente inerte – porém, prolífica – gera a energia que me aquece na noite de cama gelada e pés de picolé, assim como o esperado toque da sua letra em meus lábios, anunciado entre palavras não ditas. Imagino pétalas e lágrimas de água doce, sinto cheiro de madeira recém cortada, noz-moscada e melão, e quase sinto sua mão repousando sobre a minha. Quase posso ler seus pensamentos, mas não me permito entrar e nem quero entender todos os seus processos, nem perder o encanto se eu descobrir como se formou o seu algo a mais – pelo qual me encantei. Não, os pensamentos que já me revela por sua livre escolha nas entrelinhas são suficientes para me ensinar que o encantamento ocorre simplesmente porque nos reconhecemos, em nossas semelhanças e diferenças, como dois seres que desejam um amor de cinema, com direito a trilha sonora e um por do sol antes do anúncio do fim, um filme tão bom que não se quer parar de assistir, ou daqueles que, de tão favoritos, se assiste três vezes num dia só, e que a música dos créditos é cantarolada e que recebe uma salva de palmas todas as vezes em que as luzes da sala de projeção se acendem. E queremos tudo isso sem ensaios, sem teste de iluminação, sem roteiro e direção, a não ser dos protagonistas da madrugada em que não se dorme e que os sorrisos se multiplicam…

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

** Todos os direitos reservados. **

O prenúncio

Padrão

BlurExisto, antes do prenúncio. Anuncio antes do fim o sentir de cada ponto, o que um dia eu fui. O que sou hoje é o retrato da mocidade que ainda existe em mim, persiste apesar do tempo inexorável.
Não me permito mais brincar com sentimentos, não tolero mais certas coisas, me afasto do que me faz mal. Já armei defesas contra ataques que nem existem, e com isso me fechei num paradoxo existencial que se iniciou com palavras, ou com a ausência delas.
Sou contraditória e prolixa – mas há quem goste. Ando por aí com a sensibilidade de uma pétala, minha mente viaja em bolhas de sabão, balões de gás sobrevoando a Capadócia – ou qualquer outro lugar distante e maravilhoso do mundo –  em sementes sopradas de um dente de leão, flutuando em jardins desconhecidos.
Aprecio quem sabe se deleitar com os pequenos gestos, os minúsculos momentos de alegria, tornando-os maiúsculos, por isso faço riso do meu choro, fotografo o vento e o brilho das sombras, e envio meu fôlego perdido por correspondência – há quem o receba.
Não perca seu tempo, me dizem constantemente. E se não sei o que fazer com ele, o meu tempo? E se eu já perdi tempo demais? Apenas ele, o próprio tempo, me dirá.
A catarse (des)necessária de palavras assegura a (in)sanidade mental, já que ninguém quer ser/estar na média, nem ser totalmente (a)normal, não é mesmo?
Prefiro escrever em linhas tortas a chegar num ponto sem final, e as interrogações são as flores na beira da estrada. Preciso andar mais, só que ando devagar porque já tive pressa, como diz aquela canção, e escolho palavras mesmo sem querer.
Quero que o medo vá embora e que as palavras me escolham. Quero sentir o que nunca senti, quero o acima da média, louco e surreal. Quero o sem sentido, o riso fácil, quero as reticências e muitas exclamações!
Sem ponto final(.)

Ana.

Texto e foto: Ana Letícia.

** Todos os direitos reservados. **

Não sou imune

Padrão

Sabe, eu não estou imune às palavras. Elas são como agulhas perfurando retinas que não se cansam de ler, nem assim, cegas. As palavras  me dizem tanto ou não dizem nada, fico tonta, com a febre de não saber o que fazer.

Sabe, não estou imune ao olhar nos olhos. São como faróis luminescentes, ora reluzem o entorno, ora roubam a luz do que está por perto. Os olhos me encaram, brilhantes, depois correm tímidos para bem longe. Me desafiam a correr atrás, mas o que faço é igualmente me esconder.

Existe um raio-x de palavras? Quero ver o que trazem por dentro do esqueleto de entrelinhas, mergulhar no preto e branco de sua tinta e papel.

Existe vacina para o olhar nos olhos? Quem sabe, os olhos imunizados não se escondem e se deixam escorrer para o oceano de seus olhos de mel.

E então prometo não jogar o seu jogo de meias palavras ou palavras inteiras pela metade.

E então prometo esquecer a imunidade

E não fugir.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia)

** Todos os direitos reservados **

A Queda

Padrão

20130528-103658.jpg
É sempre assim, grandes expectativas, maiores decepções
Acontece com uma festa que não é nada daquilo que você esperava, um almoço que nao aconteceu, um beijo que não se encaixou.
Quantos tombos terei de levar para aprender a não cair mais?
Quantas vezes mais me levantarei?
Fico cansada da vida, do tombo, do mundo
E então começa tudo de novo
A vida segue
Esqueço do tombo
Esqueço de mim
Caindo, levantando, entre erros e acertos.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

Disfarce

Padrão

Boca

Levanta-se no meio da noite, pega o caderninho e rabisca um recado que ele não receberia, um desabafo que ela não conseguira verbalizar. Foi mais ou menos assim:

– Vou dizer de uma vez só
A minha timidez disfarçada de mulher mutante
Hiperativamente altiva
Espera mais que um sinal
Não tenho prática em decifrar enigmas
Não estudei quiromancia
Meus olhos apenas vêem o que o rosto deixou de esconder
Ouço as palavras ditadas
E minha mineirice, desconfiada, dá um grito de alerta
Antes que eu pule no precipício dos teus braços até não ter mais volta.
Com os dois pés atrás, piso em falso
Mais um entorce e mudo de caminho
Erro a direção
Ando sem poder andar
E me calo ante o inesperado.

E assim, sem um desfecho, ela fecha o caderno, guarda o lápis num canto do criado-mudo, vira-se para o outro lado da cama, sozinha, e volta a dormir.

Outro dia nasce, mais outros tantos se vão, e após uma tarde de chuva com sol, de papo bom, algumas indiretas despercebidas e um pouco de mistério, ele se despede sem um beijo – de novo!?, pensa ela – e ambos se viram em direções opostas, caminhando sem olhar para trás.

Ana.

Texto e foto: Ana Letícia.

Entre nuvens

Padrão

Cristal nublado

Vejo nuvens sobre mim
Tudo enquadrado
Vejo migalhas sobre a mesa
Nada doce
Nada em mente
Frutos verdes que despencam
Tal palavras sem sentido
Atenção que disperso sobre inanimados desenhos
Se me mostro sou errada
Me recolho e pioro
E a cada dia um cristal que se quebra
Uma gota que cai
E enche um copo
De esperança
De lágrimas
De sorrisos
De verbos soltos.
Abraços rotos
Tapinhas nas costas
Nunca mais.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

A Verdade Dividida

Padrão

Caleidoscópio
A porta da verdade estava aberta, mas só deixava passar meia pessoa de cada vez.
Assim não era possível atingir toda a verdade, porque
a meia pessoa que entrava só conseguia ver o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade voltava, igualmente, com meio perfil.
E os meios perfis não se coincidiam…

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em duas metades, diferentes uma da outra.
Chegou-se a discutir qual a metade mais bela…
Mas nenhuma das duas era perfeitamente bela.
Era preciso optar.
E cada um optou conforme seu capricho,
Sua ilusão,
Sua miopia.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

Por onde andará?

Padrão

#descaso. Obra públuca do #gdf abandonada há MESES no #sudoeste #brasília

Por onde andará o seu sorriso, sempre tão vibrante? Hoje vem acompanhado de lágrimas, de gestos forçados, de amores partidos e abraços sem graça…

Por onde andará nossa discórdia? Está solta na vida, criou asas e voou? Tem vontade própria, a danada, berra, chora por atenção, e até consegue se separar da emoção oferecendo rosas aos que passam e pregando pregos pelas testas, na cara de quem vê.

Por onde andará seu pensamento? Colado no momento, parado ao relento, esperando a dor passar.

Por onde andará a chuva? E o cheiro de terra molhada? Por onde andará sua motivação, seu movimento, seu brilho?

Por onde andarei?

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)