Arquivo da tag: Bobices

De como estrear um moleskine

Padrão

DSC_0098

Páginas em branco me intimidam. Causam espanto e um certo desconforto ao escrever. O caderno limpo, claro, me encara e é como se fosse a primeira vez na vida a ver aquele monstro cheio de pautas, margens e linhas a preencher.

Me arrisco com uns poucos garranchos de uma mão mais acostumada a digitar.

É verdade. Os manuscritos mal fazem parte do meu mundo atual. Mas são tão diferentes, estimulam tanto… Havia me esquecido de como a caneta na mão siginifica palavras tomando vida própria, brotando de pensares e sonhares, apesar dos pesares…

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

Poesia em você

Padrão

Kibe poético

Não precisa ser poeta
Para ver poesia em gente, coisa, passarinho, avião…
Traduzir em palavras o sentir
O pensar
O gostar
É simples!
É só não se deixar constranger
É deixar fluir
Pensamentos que vêm e vão
Um mar de letras
O vai e vem da rede
Sentindo a brisa que vem de ti…

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

HOMENS: Ogro do Pântano x Troglodita Highlander

Padrão

Buzz Lightyear de Lego, em tamanho real!

Queridas leitoras,

Ser mulher no século XXI não é fácil, ser homem também não deve ser. Entretanto, há certos hábitos masculinos que incomodam e assustam profundamente qualquer dama moderna, antiga ou até mesmo da idade média. (Isso para não dizer que qualquer uma broxa vendo isso, e cai por terra toda e qualquer possibilidade de “créu”, já que o monossílabo está na moda atualmente…)

Pois então. Pensando no bem estar das mulheres que lêem este blog, no telecoteco depois do jantarzinho romântico e, é claro, na boa imagem dos machos de plantão que me prestigiam por aqui, classifiquei os homens em duas “catigurias”:

  • Ogro do Pântano – faz tudo de nojento que quase todo homem faz. Apesar de todos saberem que tais atos (ou a falta deles) seriam o cúmulo da nojeira, tais são socialmente aceitas desde a idade da pedra, infelizmente;
  • Troglodita Highlander – a famosa “visão do inferno” para uma mulher. Não só faz coisas nojentas, como também consegue potencializá-las a níveis nunca dantes imaginados. Ânsia de vômito e antipatia mortal é o mínimo que pode causar em qualquer mulher normal.

Preparados? Apontados? Então segura na mão de Deus e vem comigo!

– Homem coçando o saco em local público: Ogro do Pântano
– Homem coçando o saco por dentro da calça em locais públicos: Troglodita Highlander

– Homem palitando os dentes em público: Ogro do Pântano
– Homem palitando os dentes em público, porém colocando a mão por cima achando que despista alguma coisa: Troglodita Highlander

– Homem que rói unha: Ogro do Pântano
– Homem que rói unha, coça o saco, e rói unha novamente: Troglodita Highlander

– Homem com as unhas do pé grandes: Ogro do Pântano
– Homem com as unhas do pé grandes, com micose, fungos e o pé sujo e com chulé: Troglodita Highlander

– Homem com cabelinhos saindo para fora do nariz e da orelha: Ogro do Pântano
– Homem que fica tentando retirar com a sua pinça de sobrancelha, na sua frente, no espelhinho do carro, os cabelinhos que ficam saindo para fora do nariz e da orelha: Troglodita Highlander

– Homem que arrota alto e em público: Ogro do Pântano
– Homem que arrota alto, em público, e em cima de você, assoprando na sua cara para espalhar o “cheirinho”: Troglodita Highlander

– Homem que fica observando e admirando a camisinha usada na sua frente: Ogro do Pântano
– Homem que enche a camisinha usada de água e aperta, brincando como se fosse um balão: Troglodita Highlander

– Homem que usa cueca furada: Ogro do Pântano
– Homem que usa cueca velha, poída, furada e patacada (a famosa freada de caminhão): Troglodita Highlander

– Homem que não tira a meia pra transar: Ogro do Pântano
– Homem que só abre a braguilha da calça na hora agá: Troglodita Highlander

– Homem que não usa fio dental: Ogro do Pântano
– Homem que passa fio dental deixando a sujeira pipocar em quem está do lado e ou come a sujeira que sai no fio dental, em cima da cama: Troglodita Highlander

– Homem que joga a roupa usada no chão, do jeito que tirou do corpo, toda embolada e vai empilhando: Ogro do Pântano
– Homem que acha que é obrigação da mulher catar a roupa suja dele jogada e embolada no chão: Troglodita Highlander

– Homem que não abre a porta pra deixar a mulher passar: Ogro do Pântano
– Homem que fecha a porta na cara da mulher depois de passar primeiro (ou seja, nem segura a porta pra pobre passar): Troglodita Highlander

– Homem que dá dinheiro pra mulher comprar o próprio presente de Natal ou aniversário: Ogro do Pântano
– Homem que simplesmente esquece e ou ignora tais ocasiões: Troglodita Highlander

– Homem que esquece o nome dos parentes da mulher: Ogro do Pântano
– Homem que esquece o nome dos parentes da mulher e ainda por cima chama todos eles de “tiozão/tiazona”: Troglodita Highlander

Ahhh, tá bom, né, acho que deu pra sentir o clima… (E ainda assim a gente continua insistindo! risos)

‘Té mais!

Ana.

Obs. 1: Este texto não seria escrito não fosse pela colaboração e as boas risadas junto com minha amiga e Bela.
Obs. 2: É claro que sei que não existe homem perfeito. Ou melhor, se é que existe, deve ser gay. Mas não custa nada prestar um pouquinho de atenção nas próprias ações, ser mais asseado e ter mais consideração com a gata que está com você! 😉

(Foto e texto: Ana Letícia.)

Sweet December

Padrão
Dezembro pra mim é um mês feliz. Tem cheiro de chuva, de sol, de verão, de ficar com a pele douradinha de sol, cheiro de flor (pelo resquício da primavera), cheiro de festa, de bolo de chocolate, de comida gostosa, cheiro de casa de vó, de perfume novo, de mudança de vida, de fim de ano, de planos mil (a começar onde será passada a noite do dia 24 pro dia 25, onde se festejará a passagem de ano, tirarei férias ou não, quais as metas para o ano que vem…), cheiro de pipoca e de cinema, cheiro de shopping, de roupa nova, de dama-da-noite e laranja lima…

Claro que tem a chatice do excesso de trabalho do final do ano… Parece que o mundo inteiro se esquece dos outros meses e deixa tudo para o último furo, o último instante, a última hora, o último suspiro. Quem manda pode, obedece quem se fode. E vamo que vamo!

Este ainda é o mês da engorda, pois com tanta festa por aí, haja malhação no dia seguinte… É ainda o mês da falência, pois sempre tem que dar uma lembrancinha pra fulano, outra pra ciclano… E aí, de grão em grão, o seu bolso fica vazio. E haja consumismo nesta época do ano… Espírito natalino uma ova!

É o mês dos “amigos ocultos” (ou “amigos secretos”, como preferirem). Me diz uma coisa: há algo mais constrangedor e chato que amigo oculto? Pelo menos em festa de final de ano, não há não. Claro que não sou anti-social ao ponto de não participar, quando o povo todo do trabalho está dentro, mas que é chato, isso é. Melhor estar dentro que ficar só assistindo. (Leiam mais chatices sobre o amigo oculto no blog do Nando.)

É ainda o mês das datas mais importantes do ano (juntamente com o final de Novembro, é claro), quando aniversariam as pessoas mais legais da face da Terra: OS SAGITARIANOS!!! Vejam aí se uma criatura assim não é mesmo a mais jóia de todas?

“[…] Sendo tão versáteis e possuindo tantos talentos, os sagitarianos seguem uma grande variedade de ocupações em sua busca da verdade e autoconhecimento. Mesmo quando a astrologia tenta diminuir suas tendências profissionais mais prevalecentes e preferidas, a lista é longa. […]
Não obstante, Sagitário é um daqueles signos paradoxais de dualidade, de modo que sempre existe algo de contraditório em sua natureza. […] Alguns Arqueiros são joviais e brincalhões, outros são sérios e estudiosos. Uns são quietos e reflexivos, quase tão graves quanto os capricornianos. Em sua maioria, contudo, os sagitarianos são criaturas despreocupadas, que adoram brincadeiras fortes, não demonstrando receios ou preocupações, e para quem a vida é um grande jogo ou uma droga. […]
Consiste em pesquisar uma verdade em primeiro lugar, depois reconhecê-la e, por fim, ser compelido a expressá-la sem temor, o que é válido tanto para os Arqueiros saltitantes como para os introvertidos e quietos, extremamente raros. É como querer alcançar a argola de latão e cair do cavalo no processo, formular um desejo a uma estrela cadente e cruzar os dedos das mãos e dos pés para dar sorte. Todo sagitariano é idealista e jogador ao mesmo tempo, em doses iguais. Eles gostam de cantar, desenhar e dançar, de jogar e arriscar-se. Também gostam de ler, estudar, observar, aprender, ensinar e viajar. Quando dois deles estão envolvidos em todas estas coisas (ou menos parte delas), a vida nunca é enfadonha. Pode ser exaustiva, mas de modo algum enfadonha. […]
O perdão é uma virtude que os sagitarianos partilham […]. Contudo, perdoar é uma coisa, pedir desculpas é outra. Dois arqueiros não terão facilidade para desculpar-se um com o outro, inclusive com outras pessoas. No entanto, eles sentem o arrependimento um do outro e, em vez de forçarem o assunto, simplesmente ficam dizendo coisas amáveis a torto e a direito, para indicar que não houve ressentimentos. Os Arqueiros jamais guardam ressentimentos. Eles admitem francamente que estiveram errados (quando acreditam nisso de verdade), porém o fazem com mais freqüência através de atos e não em muitas palavras, ou tornando a sorrir jovialmente, desta forma convidando a outra pessoa a esquecer o desentendimento, para que voltem a ser amigos. Sagitário encontra maneiras de expressar um “sinto muito”, sem que palavras reais sejam ditas. Isto evita que se humilhem, mantém seu orgulho intacto e permite que as pazes, após uma briga, sejam mais ou menos indolores.”
Tá bom, beleza. Muitos vão dizer que astrologia é uma merda. Mas na boa, quem me conhece, ou é sagitariano, arrepia quando lê essas coisas, pois parece que a autora me conheceu pessoalmente para escrever este livro…
Hoje é aniversário de BH, 110 aninhos. Da Marília Alvarenga também, e ainda da Fê, uma amiga de infância da época de colégio (não falarei as idades pois não quero criar controvérsias aqui, honestidade é uma coisa, sacanagem é outra!). Agora invertam a ordem dos números e encontrarão o dia do meu aniversário, que, obviamente, tinha que ser o dia do solstício do verão, o início da estação mais quente do ano… 🙂

Ana.

Ps.: O nome do livro é “Os Astros Comandam o Amor“, da Linda Goodman, Ed. Best Seller. Tem só 1064 páginas, que eu já li de trás pra frente e de frente pra trás…

Carta ao Papai Noel

Padrão
Prezado Senhor Noel,

Em primeiro lugar, nunca sei como chamar o senhor: Santa Claus, Nicolau, Papai Noel, só Noel, Bom Velhinho, Pai Natal, etc. Poderia me esclarecer esta questão, para começarmos melhor nossa conversa?

Em segundo lugar, gostaria de dizer que fui uma boa menina (mulher, garota, jovem, adulta?!) durante este ano. Trabalhei demais, estudei (de menos), namorei (um pouco), briguei menos, chorei (demais), vivi (demais), sofri (um bocado), viajei (bastante, porém menos que queria), malhei (não o suficiente), gastei (mais que deveria), poupei (menos que gostaria), fiz amigos (muitos), reencontrei pessoas queridas, reatei amizades, escrevi bastante, conheci pessoas novas de todo canto do Brasil e do mundo, brinquei, dancei, gritei, esperneei, beijei, amei, decepcionei, presenteei… enfim, vivi com plenitude!

Sendo assim, aí vai minha lista (merecida, diga-se de passagem) de presentes. Sinta-se livre para me dar o que quiser (ou puder):

– Um notebook;
– Um carro;
– Um namorido;
– Um apartamento.

Ok, ok, brincadeirinhas à parte. Na realidade, o que eu gostaria de ganhar, mesmo, é o seguinte:

– O sentimento da minha mãe;
– A inteligência do meu pai;
– O carinho do Léo;
– A garra do Ângelo;
– A sabedoria do meu chefe;
– A determinação da Gil;
– A minuciosidade da Renata;
– A folga do Fábio;
– A cara-de-pau da Elaine;
– A determinação da Adélia;
– A graça da Donária;
– A cultura da Bela;
– A simplicidade da Lú;
– O profissionalismo do Daniel;
– A paixão da Marília;
– A sagacidade do Nando;
– A capacidade do André;
– A vivência do Renato;
– A graça da Gabi;
– A transparência do João;
– A barriga sarada da menina da academia que corre 2 horas todos os dias na esteira;
– O talento de um grande escritor;
– Uma pele de pêssego;
– A ingenuidade de uma criança;
– A alegria de uma escola de samba;
– A música de um piano;
– A voz de uma soprano;
– A agilidade de uma borboleta;
– A liberdade de um passarinho;
– A beleza de uma flor;
– Arte, muita arte!

Ah é, quase me esqueci: o fim da fome no mundo!

Será que estou pedindo demais? 😉


Ana.

(Imagem retirada da internet.)

Carta ao Papai Noel

Padrão
Prezado Senhor Noel,

Em primeiro lugar, nunca sei como chamar o senhor: Santa Claus, Nicolau, Papai Noel, só Noel, Bom Velhinho, Pai Natal, etc. Poderia me esclarecer esta questão, para começarmos melhor nossa conversa?

Em segundo lugar, gostaria de dizer que fui uma boa menina (mulher, garota, jovem, adulta?!) durante este ano. Trabalhei demais, estudei (de menos), namorei (um pouco), briguei menos, chorei (demais), vivi (demais), sofri (um bocado), viajei (bastante, porém menos que queria), malhei (não o suficiente), gastei (mais que deveria), poupei (menos que gostaria), fiz amigos (muitos), reencontrei pessoas queridas, reatei amizades, escrevi bastante, conheci pessoas novas de todo canto do Brasil e do mundo, brinquei, dancei, gritei, esperneei, beijei, amei, decepcionei, presenteei… enfim, vivi com plenitude!

Sendo assim, aí vai minha lista (merecida, diga-se de passagem) de presentes. Sinta-se livre para me dar o que quiser (ou puder):

– Um notebook;
– Um carro;
– Um namorido;
– Um apartamento.

Ok, ok, brincadeirinhas à parte. Na realidade, o que eu gostaria de ganhar, mesmo, é o seguinte:

– O sentimento da minha mãe;
– A inteligência do meu pai;
– O carinho do Léo;
– A garra do Ângelo;
– A sabedoria do meu chefe;
– A determinação da Gil;
– A minuciosidade da Renata;
– A folga do Fábio;
– A cara-de-pau da Elaine;
– A determinação da Adélia;
– A graça da Donária;
– A cultura da Bela;
– A simplicidade da Lú;
– O profissionalismo do Daniel;
– A paixão da Marília;
– A sagacidade do Nando;
– A capacidade do André;
– A vivência do Renato;
– A graça da Gabi;
– A transparência do João;
– A barriga sarada da menina da academia que corre 2 horas todos os dias na esteira;
– O talento de um grande escritor;
– Uma pele de pêssego;
– A ingenuidade de uma criança;
– A alegria de uma escola de samba;
– A música de um piano;
– A voz de uma soprano;
– A agilidade de uma borboleta;
– A liberdade de um passarinho;
– A beleza de uma flor;
– Arte, muita arte!

Ah é, quase me esqueci: o fim da fome no mundo!

Será que estou pedindo demais? 😉


Ana.

(Imagem retirada da internet.)

Meu tio é o cara!

Padrão
Então…

Só meu Tio Jaques mesmo. Diretamente de Palmeirópolis, no Tocantins, saudoso do restante da família que vive espalhada pelo Brasil, vive a fazer graça, mandando os videozinhos mais hilários pro Youtube… E não é que ele descobriu um novo “talento”?

Com vocês… MAICOW NITE! O mais recente hit ‘youtubesco’!

Ana.

Ps.: Este vídeo já foi copiado no youtube por mais 02 pessoas, confiram:

* Update: Acreditem se quiser, o vídeo do “Maicow Nite” (versão legendada) está no portal UAI!

Mundo Animal

Padrão

Era uma vez uma família de peixes. Peixo-Pai (enérgico e observador, o mais temido surubim daquelas bandas do rio, mais conhecido como “Suru-Barão, o grande Chefão”), Peixa-Mãe (a primeira-dama), Peixe-filho (de sexualidade duvidosa, não gostava de comer os outros peixes, sonhava fazer faculdade de moda e virar personal stylist das celebridades, e desejava sair do armário em breve para assumir seu lado vegetariano perante a sociedade), Peixete-Filha (digamos assim: menina de vida leviana, só pensava em beijar na boca e ser feliz, baladas noite afora na Peichá – boate famosa do bairro – era com ela mesma!).Um belo dia, Suru-Barão e primeira-dama resolveram viajar, para ver de perto e participar, pela primeira vez, da pororoca do Amazonas. Eles eram muito ligados a esportes radicais, sabe como? Não deu outra: Peixe-filho e Peixete resolveram dar umas voltinhas, e ir a uma festa do povinho popular da “Faculdade de Predadores Fluviais – curso só para Surubins, Jacarés-do-papo-amarelo e Cia Ltda.”. Festa estranha, gente esquisita. O pessoal resolveu puxar um fumo feito de uma alga importada da Índia, e daí saíram a vagar pela imensidão do rio, para praticar uma de suas maiores diversões: correr atrás azucrinando cardumes de lambaris-catadores-de-lixo. Seus pais sempre disseram para que ficassem longe das drogas, e não andarem sozinhos à noite com gente estranha… Mas, filhos são filhos, não é? Nunca escutam o que os pais falam…

O que aconteceu? Perderam a turminha de vista na “viagem astral” causada pelo fumo, e daí avistaram objetos estranhos. Pensaram ser delírio, pois nunca tinham visto nada parecido com aquilo… Uma luz piscando, além da superfície, parecia uma segunda Lua… Barulho de tapas na água… Um enorme gancho com um peixinho nunca dantes comido… Foram chegando perto… Uma espécie de caixa feita com objetos compridos e ocos, cheios de ar, verdes e transparentes, enfileirados… Pareciam garrafas, sabe como? Mais perto… Peixete estava curiooooosa!!! Peixe-filho morrendo de dó do peixinho preso no gancho… Ficou parado… olhando… hipnotizado… olhos cheios d’água… Mó viagem, morou?

Até que… Zás! A última visão deles foi de um ser gigantesco com uma espécie de avental branco e galochas de plástico.

Voltando do passeio, excitadíssimos para contar suas aventuras para os filhotes, Peixo e Peixa não os encontraram. Na porta de entrada, um bilhete:

“Pô bicho, teus filhos estavam conosco na festinha da galera, e foram vistos pela última vez perto margem direita do rio, ao lado da Alameda das Vitórias-Régia. Não levem nada nem ninguém, apenas vão buscá-los, pois a localidade não é pra grã-fino que nem vocês, e ali tem que ficar de olho aberto, saca?”

Desesperados, Peixo e Peixa foram atrás de suas crias. Suru-Barão preocupadíssimo com Peixete, que devia estar de mini-saia e maquiagem… E ser sequëstrada com tais trajes não pegaria bem para o pai, que almejava um lugar na “Câmara do Topo da Cadeia Alimentar de Rio Azul”. Já Peixa, chorava copiosamente, pensando que seu filhinho deveria estar passando fome nas mãos dos raptores, pois só ela sabia fazer alga refogada do jeito que ele gostava, al dente

Chegando ao local do crime… BAAAAMMMM! Era uma vez uma família de peixes…Querem saber onde foram parar???

Perguntem à dona das fotos, ou olhem no seu álbum do flickr o resto da trajetória dos “cadáveres” da família!Conclusão: “Nem toda história tem um desfecho feliz!”

ou

“Não é só peixe que morre pela boca.”

surubim na brasa 1

Concepção original e vegetarianismo: Didt’s
Receita escrita por: Cláudio Costa.

Churrasco: Ângelo

Adaptação, criação, fotos do churrasco, viagem astral: Ana.

Ps.: A foto no topo do texto foi retirada deste link.

BH 40 Graus

Padrão
Hoje eu achei que iria ficar louca de tanto calor… Achei não, enlouqueci, pirei. Pois onde já se viu escrever um texto desses de uma vez?
O dia já começou atrasado: de tanto calor, esquecemos todos do despertador. Apenas o sol acordou antes, já estava quente e com raios brilhantes, postado lá no céu, alto, sorridente, zombava da gente. Ultra-violeta ou não, vou logo tratar de me proteger. FPS 30, que é para não enrubecer.
– Será que hoje vai fazer frio?
Pensei em voz alta, forçando a barra para vestir uma blusinha meia-estação.
– Tá louca? Tem chance não!
Respondeu meu irmão, revoltado por ter de ir enternado, se internar no escritório, para desenterrar 10 petições iniciais, 5 agravos e 01 embargo declaratório.
Chego ao trabalho, e por questão de 40 segundos, não me atrasei.
– Ufa! – logo pensei.
Abro o armário, e dou de cara com uma sindicância, a ser instauranda em caráter de urgência. Tenho que tomar tenência, agir com obediência, e não ter tanta implicância com tantas coisas chatas para resolver e analisar.
E de tanta água que bebi, e de tanta chatice que engoli, me deu ânsia, até incontinente fiquei, o banheiro foi meu amigo, companheiro de desidratação. Pelo menos era o local mais fresco da repartição.
– Cuidado para não pegar uma insolação!
No almoço, correria só. Chegando à academia, olho o termômetro da rua: BH 40 graus. E eu fazendo ginástica, tentando não derreter… Aproveitei para me entreter:
– Será que malhar no calor emagrece mais?
Comi correndo, voltei correndo. O banho de nada adiantou.
– Só andou dali até aqui, e já suou!?
Disse o secretário, ao me ver toda molhada, estranhando a doutora, que só anda perfumada.
E assim segui o dia, suando em cima do processo.
Espero que isso não me cause um abscesso.

Texto e foto: Ana.

Ruindows

Padrão

Como se não bastasse a obrigação de ter que pagar por ser meros cobaias da Microsoft, como ratinhos de laboratório que gastam uma nota preta para testar os mais novos truques e ganhar míseros pedaços de ração num spa da pior qualidade, ainda temos que presenciar erros grotescos em tais produtos que somos obrigados a consumir. Digo obrigados pois a grande maioria de nós não tem grana para comprar um MAC, ou ainda não tem a santa paciência pra utilizar um Linux.No caso que relatarei aqui, foi até bem engraçado. Estávamos no trabalho, eu em meio aos editais de licitação e processos de recursos e convênios e contratos administrativos, e minha amiga Gil – que trabalha comigo – redigia uma Nota Jurídica meio complexazinha, acerca da tredestinação, cessão de uso, doação de imóvel, trespasse, e outras questões mais de direito reais na Administração Pública. Eis que a mesma comete um pequeno deslize ortográfico, por pura desatenção. Escreveu TRESPASSE sem o primeiro “S”, ou seja, digitou TREPASSE. E continuou a escrever. Eis que a mesma percebe que tal palavra fica sublinhada de verde no Word. Não percebendo de plano seu engano, clica com o botão direito do mouse em cima da palavra, a fim de verificar a sugestão gramatical do programa para a correta escrita do termo.

Vejam com os próprios olhos o “Print Screen” que eu tive que dar da tela, após os aproximadamente 30 minutos de crise de riso que nos acometeu:

Trepasse

(Clique aqui para ver a tela em tamanho original.)

Reparem que, como se não bastasse a mente poluída do técnico em informática que “alimentou” o banco de dados do programa, ainda há um erro horroroso de ortografia:tivesse RELAÇÕE sexuais“. Ora, não seria RELAÇÕES SEXUAIS!? Ou RELAÇÃO SEXUAL!?

Pois é, acho que acabamos descobrindo, sem querer, mais um bug do “Ruindows”. Ou então o meu PC de casa e os do serviço são do Paraguai…

Ainda não acreditam?

Pois façam o teste no Word de vocês e depois contem aqui o que ocorreu!

Ana.

Ps.: Mais sobre horrorosos erros de português no Imprensa Marrom, aqui e aqui. Genial!

**************************

Update!!! – 16.09.2007

Soié está de volta… com a corda toda!!!