Arquivo da categoria: Cinema

Eu vi: Elena, o filme

Padrão

Assisti “Elena”, o documentário de Petra Costa sobre sua irmã, há dois dias. Somente hoje consigo escrever algo sobre o filme, após digeri-lo, ruminá-lo e engolir novamente.

E então chego à conclusão de que, definitivamente, Elena não é um filme para qualquer um, para qualquer hora, e, principalmente, Elena não é um filme para se esquecer. Talvez por isso mesmo que, talvez, Elena não seja um filme para se recomendar. Seu realismo e construção exigem dedicação e sensibilidade do espectador. Não me sinto confortável em escrever esta crônica, como não me senti confortável ao assistir o filme, durante a sessão. Mas ainda assim, não consegui sair da sala de cinema e largar Elena ali, sem minha respiração tensa, sem minha angústia velada.

O filme é sensível, e talvez a sua sensibilidade extrema tenha me atingido como um murro, desses que você lembra dias a fio, como um zumbido no ouvido que não te deixa dormir após uma noitada com som muito alto.

As imagens de Belo Horizonte e as gravações reais exibidas durante todo o filme, bem como o mineirês das personagens – nada ficcionais – me transportaram à BH nos anos 80, quando morávamos na Rua Alto da Mata na Cidade Nova, e eu ainda era tão criança quanto Petra, enquanto sua irmã Elena ganhava os palcos em São Paulo. Se eu fosse 10 ou 12 anos mais velha, provavelmente teria conhecido Elena…

Além da nostalgia do meu próprio passado, gostei das imagens gravadas com uma pequena câmera fotográfica em Nova Iorque, pela própria autora, diretora e personagem real Petra, dando o tom biográfico e, ao mesmo tempo, se aproximando de mim e minha Nikon D3100, meus muitos sonhos e alguns projetos não realizados. Minha amada Nova Iorque jamais será a mesma após Elena, não para mim.

As últimas falas do filme, na voz de Petra, e suas últimas imagens, não me deixarão esquecer de ti, Elena, controversa, dançarina, atriz, mulher.

20140731-144755-53275378.jpg

Ana.

(Texto escrito em Curitiba/PR, 24 de maio de 2013.)


Atualização: Meu interesse em ver este filme nasceu com a leitura do texto sobre ele publicado pela Aline Souza, no blog Escritus Infinitus.

Cinema e Milk Shakes

Padrão

Assuntinho batido (e atrasado, né): OSCAR.

Escolhas estranhas deste ano, não? Mas tenho de confessar, não assisti a todos que concorreram não… Na verdade, só dois deles:

– O programa de hoje foi “Jogos do Poder” (Charlie Wilson’s War”). Digamos que foi um entretenimento. Mas sinceramente, não consigo entender o porquê de se fazer um filme como esses, já que a maioria do “povão” não consegue ligar o cu com as calças. Traduzindo: acha lindo o filme, e vê os isteites como salvadores da pátria afegã, e não faz a ligação disso com a chamada “guerra contra o terrorismo” bushiana. E aí o cara que é o maior bon-vivant e cheirador de pó, sem contar seus outros atributos (mulherengo, alcoólatra e promíscuo) vira um herói nacional. Aff. Sabe o que valeu à pena? A atuação do Philip Seymour Hoffman (ator protagonista de “Capote”). Muito muito boa. E o Coffee Shake que tomei antes do filme no Café do Ponto.

– Domingo passado foi a vez de “Juno“. Filminho de seção da tarde, se não fosse pelo tema de gravidez na adolescência, o aparente fácil acesso ao aborto (como se isso fosse a coisa mais normal do mundo), os estapafúrdios anúncios de “pais adotivos” nos Classificados do jornal, a reação inverossímil dos pais da garota, etc. Mas quer saber? Apesar de todo o criticismo, eu gostei do filme. Achei delicado sem ser apelativo, a trilha sonora é ótima e a Ellen Page (que é a protagonista do filme) é excelente. E podem me crucificar, mas achei a Jennifer Garner super forçada (será que é só neste filme ou ela é sempre assim e só agora reparei?).

– Já adianto que não verei o ganhador do Oscar deste ano: “Onde os fracos não têm vez” (“No Country for Old Men”). Como um filme com uma sinopse dessas pode ser o Oscar de Melhor Filme?
Texas, década de 80. Um traficante de drogas é encontrado no deserto por um caçador pouco esperto, Llewelyn Moss (Josh Brolin), que pega uma valise cheia de dinheiro mesmo sabendo que em breve alguém irá procurá-lo devido a isso. Logo Anton Chigurh (Javier Bardem), um assassino psicótico sem senso de humor e piedade, é enviado em seu encalço. Porém para alcançar Moss ele precisará passar pelo xerife local, Ed Tom Bell (Tommy Lee Jones).”
Na boa, né…

O negócio é que ando muito de saco cheio com o cinema americano, e por incrível que possa parecer, tenho amado os filmes brasileiros que vi nos últimos tempos. Depois que tive o prazer de ver “O Estômago” no Festival de Cinema Brasileiro Contemporâneo em Tiradentes, no início deste ano, fui correndo alugar “Cinema, Aspirinas e Urubus“. Tudo bem que este é um filme meio lentinho, mas a beleza do Peter Ketnath e a graça do João Miguel valem à pena. Isso sem contar na estapafúrdia história de um vendedor de Aspirina em pleno sertão nordestino, quando ninguém nunca tinha ouvido falar nas tais “pílulas milagrosas”, a “cura para todos os males”, tão corriqueiras pra nós atualmente.

Nem mencionarei por aqui “Meu nome não é Johnny“, que é simplesmente fantástico. Adorei. Todo mundo já sabe que é bom, assim como “Tropa de Elite“, que até já encheu o saco de tanto que caiu no gosto do público, de tanto que ficou igual bunda – todo mundo tem a sua (no caso, a cópia pirata).

Mas leiam o post no Pras Cabeças e sintam um gostinho do que é “O Estômago“, simplesmente um dos melhores filmes que vi ultimamente, sem exageros. “Uma fábula nada infantil sobre sexo, poder e gastronomia”, era o que dizia o pôster espalhado por Tiradentes. Só falo mais uma coisinha: marquem dia 11 de abril em suas agendas e ASSISTAM a este filme! É imperdível.

E antes que eu me esqueça de contar: assisti ao filme na cadeira ao lado da Cláudia Natividade, produtora e do Babu Santana – outro ator do filme. Ao final tirei foto com ele e com o João Miguel (que é uma gracinha, por sinal)… Tiete pouco, né?

Ana.