CARNAHELL

Padrão

1a. PARTE – “HOTEL CALIFORNIA”

Não fosse o calor que faz no Rio de Janeiro, o engarrafamento na entrada da cidade tira a paciência de qualquer mortal (menos dos próprios cariocas, pois estes não se estressam com nada).

Não, não estou falando mal do Rio. Adoro aquela cidade, que é realmente maravilhosa, haja vista alguns posts passados. O desfile das escolas de samba é deslumbrante, não há dúvidas. Os bloquinhos são divertidíssimos! Mas voltar ao Rio para passar o Carnaval novamente, para mim e para mais 3 pessoas em particular, já será um caso a se pensar…

Em 2003, assim como este ano, resolvi passar o Carnaval em Macaé-RJ, com meu namorado. No entanto, deixei para comprar a passagem um pouco em cima da hora, e já não havia mais lugares nos ônibus que fazem o trajeto direto BH/Macaé. O jeito foi ir pro Rio, e de lá pegar um outro ônibus para Macaé. Segundo meu namorado, claro que teria passagem para Macaé, sai ônibus do Rio para aquela cidade de hora em hora, etc e tal, não precisava se preocupar, imagina!

Chegando na Rodoviária “Novo Rio”, lá pelas 19h, um calor de mais ou menos 42 graus, o lugar parecia um formigueiro, nunca vi tanta gente em toda a minha vida. Agorafobia define. Adivinha se tinha passagem para Macaé? Necas… Somente lugares EM PÉ (pelo mesmo preço das poltronas, lógico), que sairia somente às 00:15h. O jeito foi ficar por lá esperando quase 4h. Meu namorado ficou muito preocupado comigo, e o coitado foi pro Rio me encontrar, saindo de ônibus, de Macaé, mais ou menos às 17:30h. Geralmente, o trajeto dura 3 horas… Mas como estávamos em plena “sexta-feira” de Carnaval, ele somente chegou no Rio às 00:05h!!! Eu já estava completamente apavorada, pois pelo horário marcado, o ônibus já sairia para Macaé em apenas 10 minutos! Descemos juntos correndo a rampa para o desembarque… eu com, minhas malas e o namorado somente com a roupa do corpo (afinal, não haveria nenhuma necessidade de ele levar mala para si).

Triste engano! Nem na plataforma de embarque conseguimos chegar, a rampa que nos levaria até lá estava congestionada de tanta gente! Fiquei parada no local enquanto meu namorado tentava descobrir se o ônibus já teria saído, e tal. Para o nosso desespero, todas as linhas estavam mais de 3 horas atrasadas! Já era mais de 0h de sábado e os ônibus das 21h de sexta ainda nem tinham chegado lá para embarcar seus passageiros! Neste momento, quase tive um colapso. Não me aguentava em pé, não aguentava mais ficar sentada, pois já tinha viajado o dia inteiro, precisava urgentemente de um banho e de uma cama. O namorado ficou com dó, viu o meu estado e então resolvemos devolver as passagens, passar a noite num hotel ali por perto e ir para Macaé de manhã.

Alguém, aí já ouviu aquela música “Hotel California“? Pois era mais ou menos daquele jeito o “Hotel Rodoviário”, exatamente ao lado da Rodoviária, e estilo aquelas pocilgas da Av. Paraná (de BH), “apartamentos com água quente”… Credo! No meu estado de total letargia, vencida pelo esgotamento físico daquela viagem até então desastrosa, o banho e a cama foram mais que suficientes para me fazer aprofundar no sono… Mas para o namorado, que mede 1,84m, o pé-direito do quarto de 1,80m não o deixaram nem respirar!

Se pensam que já acabou nosso sofrimento, não se enganem, a história continua, e acreditem, cada vez pior…

Ana.

** Para ler os próximos capítulos da “saga”, clique:

2ª parte;

3ª parte (final).

Anúncios

Uma resposta »

  1. Pingback: CARNAHELL – A saga continua… | Mineiras, Uai!

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s