Todo dia

Padrão

Stripes #Snapseed
Todo dia ela faz tudo sempre igual. Acorda às 06h00min, banha-se na sua KDT, ducha bem forte e quente, o banheiro fica envolto em nuvens de vapor – é assim que gosta. Lava suas partes com seu sabonete Dove e ao final, banha-se de óleo trifásico aroma de maracujá.

Veste suas roupas de trabalho: uma calça corsário, camiseta de liganete, sandálias. Nada muito sofisticado, pois não deseja chamar muita atenção. Na bolsa preta, de couro, sempre um kit “básico” composto de batom, espelhinho, guarda-chuva, dinheiro pro táxi e emergências, uma fruta, uma barrinha de cereais coberta com chocolate, lencinho de papel e, claro, creme para as mãos e o celular.

Já está cansada daquela rotina diária, mas tem que ganhar a vida, não é? Caso contrário, como poderia viajar para Cabo Frio todo feriado prolongado e a cada 15 dias, onde passa quase metade da semana? Tinha a sorte de seu emprego permitir estes luxos, casa própria, apartamento na praia… Também, já está na praça há muitos anos, e todos já sabem de suas necessidades e horários, nem precisa dar explicações.

É dona de seu nariz; mesmo viajando, consegue controlar seus mais de 05 funcionários. Graças a eles, aumentou em muito seu lucro, e assim conquistou uma posição confortável e criou os filhos (todos tinham carros próprios e se formaram numa universidade, e ela se orgulhava disso). Hoje cada um já constituíra família e muito raramente dava algum sinal de vida. Era compreensível: durante toda a vida deles ela trabalhara para sustentá-los, o dia todo, já que o marido morrera pouco depois do nascimento da prole.

Ingere o café-da-manhã de sempre: pão integral com queijo, iogurte natural com frutas, café preto bem forte. Come bastante para agüentar a rotina matinal. Às 07h30min sai de casa e toma o táxi com o motorista habitual.

Próximo ao trabalho, pede ao choffeur para encostar o carro junto ao meio fio 3 quarteirões antes do seu destino final. Mesmo que ele fosse de confiança, ela tinha medo que descobrissem seu empreendimento. Violência, sabe como é, né? Essa onda de seqüestro relâmpago não é brinquedo não!

Anda o primeiro quarteirão já fora do carro. Agora está sozinha e segura. Agacha-se no chão à procura de algo… Após breves instantes, encontra o que procurava: um pouco de graxa de automóvel. Espalha uma mínima quantidade em seu rosto e braços. O suficiente para ninguém reparar seu bronzeado da última temporada em Cabo Frio. Hoje é quinta-feira, e é o primeiro dia que vai ao trabalho, desde a semana anterior. Está pronta.

Mais 02 quarteirões e chega ao destino. A rua está movimentada, muitos carros luxuosos passando. O sinal fica vermelho. Pronto! Pode fazer sua cara de sofrida que a ajudara nesses anos todos. Ninguém resistia a uma idosa suja e mal vestida tão cedo pela manhã. Ganhava de tudo: de moedas de R$ 0,05 a notas de R$ 100,00, marmitex, pizza, frutas. Num só dia ganhava em média R$ 500,00, isso fora a porcentagem de 30% dos seus funcionários, cada qual em seu ponto estratégico da capital.

Almoça no restaurante popular – almoço a R$ 1,00 – afinal de contas, durante o trabalho precisa manter as aparências. Muitas vezes deixam que ela coma de graça por lá. A comida nem é tão ruim, cada dia tem um cardápio diferente e saboroso, dizem até que é preparado por nutricionistas.

A tarde passa mais devagar. 17h30min: hora de largar o batente. O dia foi bom, amanhã tem mais. Sábado e domingo não! São os dias de cuidar da casa e tomar sol na sua piscina.

Entra no banheiro público, é horrível ter que dividir aquele espaço com tantos vagabundos miseráveis… Mas, fazer o quê? São ossos do ofício. Aproveita para limpar-se da graxa.

Liga de seu celular para o motorista de costume.

Entra no táxi de volta para casa.

O dia acabou.

***

Ps.: Esta é uma obra de ficção, baseada em fatos e pessoas reais. Não se assustem, qualquer semelhança com a realidade não será mera coincidência.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

Anúncios

Sobre Ana Letícia

@analeticia Autora do blog Mineiras, uai! desde 2004, nasceu em Belo Horizonte-MG. É advogada e sagitariana. Gosta de poesia, literatura, fotografia música boa e dança clássica, contemporânea, de salão, etc. Já quis ser bailarina, como toda menina, e até hoje fica nas pontas dos pés. Participou do Projeto Macabéa com outros escritores blogueiros do Brasil, e foi uma das editoras do Castelo do Poeta, junto com seu primo, o saudoso poeta João Lenjob.

Uma resposta »

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s