Sinal

Padrão

Dê sinal de vida

Dê sinal de vida, acenda um farol.
Um sinal apenas, uma luz, uma faísca,
Grite chore, diga que exista
Diga que eu existo, que estou aqui, sou, penso, faço, choro.
Olhe para os lados, cuidado ao caminhar…
Pare, pense, escute. Na linha do trem ou na vida
É tão mais fácil andar!
Mas não se esqueça do sinal de vida
Dê vida
Sinal divino
Acene, peça pra parar.

Ana.

(Texto e foto: Ana Letícia.)

Anúncios

Sobre Ana Letícia

@analeticia Autora do blog Mineiras, uai! desde 2004, nasceu em Belo Horizonte-MG. É advogada e sagitariana. Gosta de poesia, literatura, fotografia música boa e dança clássica, contemporânea, de salão, etc. Já quis ser bailarina, como toda menina, e até hoje fica nas pontas dos pés. Participou do Projeto Macabéa com outros escritores blogueiros do Brasil, e foi uma das editoras do Castelo do Poeta, junto com seu primo, o saudoso poeta João Lenjob.

»

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s