Você tem medo de quê?

Padrão

Segundo o nosso bom e velho “pai-dos-burros” (Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa), medo pode ser definido como “Sentimento de grande inquietação ante a noção de um perigo real ou imaginário, de uma ameaça; susto pavor, temor, terror. Receio.”
Conheço gente com tudo quanto é tipo de medo: escada rolante, imagem de santo, prova de matemática, altura, gato preto, água fria, assombração, até da própria sombra!

Certa vez, uma amiga minha recusou-se de subir até o 19º andar dentro da claustrofóbica caixinha metálica (palavras da própria, mas podem chamar de elevador) do prédio da Av. Afonso Pena nº 1500, para assistir minha apresentação de Ballet no Teatro Casanova… Subiu os 19 andares de escada! E haja fôlego, pernas, paciência para chegar 1 hora antes do espetáculo, e vontade de me ver dançando, não é mesmo? Isso é que é amiga!

Mas agora falando sério, qual mal pode te acontecer dentro de um elevador? Tirando a estranha sensação de claustrofobia que emerge dentro de nós em ambientes pequenos e fechados, o que mais de tão horrível poderia ocorrer? Se ele travar, morrer sem ar você não vai, pois até que o oxigênio acabe, alguém já terá percebido que o elevador está parado em algum andar, e já terão sentido a sua falta também – ou ainda, terão ouvido seus berros. Despencar ele não vai – pelo menos é muito pouco provável, tendo em vista os fortíssimos cabos de aço e mecanismos de segurança que tais equipamentos são dotados… Então, qual é o problema?

O mesmo ocorre com o infundado medo do escuro… Por que toda criança morre de medo da ausência de luz? Afinal de contas, dentro do útero de nossas mães não existia eletricidade, e nos virávamos muito bem sem ela. Todo mundo já sabe que não existe “Bicho Papão”, e mesmo se existisse, ele não iria aparecer assim, do nada, só porque está escuro… Aliás, é uma maldade dos pais para com os filhos ficar incutindo essas idéias de monstruosidades que, teoricamente, povoam o breu.

Como boa pedestre, sei me virar muito bem caminhando pelas ruas desta cidade de trânsito caótico e má educação da quase maioria absoluta dos motoristas. Só atravesso na faixa, sou prudente, etc, mas choro de rir de algumas amigas que, por incrível que pareça, têm medo de… ATRAVESSAR A RUA! Elas me acham louca e inconseqüente, mas será que elas não exageram demais? Claro que a gente não pode confiar nos rodas-duras que andam soltos e armados com seus automóveis por aí, mas também não precisa exagerar e só atravessar a rua quando há ausência de carros! (Mesmo porque, do jeito que as coisas andam, isso é praticamente impossível de acontecer, para quem mora e ou trabalha na região mais central da cidade, ou em ruas e avenidas de trânsito intenso.)

Medo de seqüestro, violência, terrorismo, medo da fome, da miséria, medo de assalto e armas de fogo, isso sim, infelizmente, são medos plenamente plausíveis na nossa vida atual. (Medo de bala perdida nem adianta ter. Se uma dessas vos achou, meu amigo, é porque infelizmente era sua hora mesmo de ir para o beleléu.)

O pior de tudo é sentir medo dos próprios sentimentos, ter medo de assumir seus erros e agüentar as conseqüências, sentir medo de tomar a dianteira das coisas e tomar suas próprias atitudes de acordo com suas próprias convicções, medo de ser rejeitada e, por isso, não agir, medo de se apaixonar, de se envolver. Estes medos internos, psicológicos e infundados (quase sempre), muitas vezes nos impedem de viver experiências maravilhosas, conhecer pessoas interessantes, fazer novos amigos, arranjar um bom emprego, montar seu próprio negócio, etc.

Enfim, o medo de viver é o que nos paralisa… Penso que não deveria ser assim, afinal, a única certeza que podemos ter nessa vida é a morte, e essa não adianta temer, é implacável, muitas vezes injusta, noutras, tardia, mas não falha não.

A vida é uma só, não pode ser passada a limpo.

Texto e foto por: Ana.

Anúncios

Sobre Ana Letícia

@analeticia Autora do blog Mineiras, uai! desde 2004, nasceu em Belo Horizonte-MG. É advogada e sagitariana. Gosta de poesia, literatura, fotografia música boa e dança clássica, contemporânea, de salão, etc. Já quis ser bailarina, como toda menina, e até hoje fica nas pontas dos pés. Participou do Projeto Macabéa com outros escritores blogueiros do Brasil, e foi uma das editoras do Castelo do Poeta, junto com seu primo, o saudoso poeta João Lenjob.

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s