Preconceito vem de dentro

Padrão

Todo mundo sabe que no Brasil o racismo é considerado crime inafiançável, mas quando o racismo está dentro da própria pessoa que se sente inferior aos outros, qual a punição?

Esta semana presenciei fatos concretos de um amigo que é bem moreno, e que apesar das pessoas o tratarem com igualdade, ele próprio se discrimina. Esta é uma das histórias que conto sobre o Marcos.

Na quinta-feira passada foi formatura da minha amiga Cláudia, em Psicologia, pela PUC (Parabéns Claudinha!). Ela convidou vários amigos legais, dentre eles o Marcos. Até então, tudo bem, pois o Marcos estava super à vontade para ir à colação de grau, apesar dele nunca ter assistido uma, pois não foi na minha formatura no ano passado, por pura vergonha…

Como eu já conheço o jeito dele e precisava de uma carona também, juntei o útil ao agradável e liguei para o Marcos combinando de irmos juntos. Ele passou aqui em casa e fomos eu, Tamara e Andreza (amigas da PUC). Logo que acabou a colação nos dirigimos para os cumprimentos e ai a história começou… Ele estava muito bem arrumado, terno e gravata, mas é tão complexado com sua cor, que achava que todo mundo estava olhando para ele. Cumprimentou a Claudinha e só ficava de longe. A Tamara e a Andreza foram cumprimentar outras pessoas, porque também estudam na PUC, e eu fiquei conversando com as tias da Claudinha. O Marcos foi incapaz de ficar na rodinha com a gente e não cumprimentou nem os pais dela com medo de alguma retalhação… pode?

Depois da colação, teve uma festinha para a Claudinha no Clube da Copasa no Buritis. O Marcos, todo cismado, disse que não iria de jeito nenhum, mas eu e as meninas já estávamos preparadas para ir. Como eu tenho mais intimidade com a família da Claudinha do que a Tamara e a Andreza, a mãe da Cláudia me chamou para ir no carro junto com ela. Meu problema estava resolvido, mas as duas meninas não tinham como ir sozinhas, precisavam do Marcos. Com muito custo conseguiram convencê-lo de ir para a festa.

Chegaram lá e ele ficou, o tempo todo, vermelho de tanta vergonha. Não sei porque, pois a família da Claudinha é super animada e brincalhona, ninguém iria deixá-lo de fora da festa. Mas ele preferia ficar sentado, sem nem conversar. Mal tomou uma cervejinha e resolveu ir embora.

Antes disso, todo mundo estava conversando sobre o baile de formatura, no qual ele também tinha sido convidado (por sinal ganhou dois convites). Mas ele dizia que não ia, pois a festa não tinha nada a ver com ele, com a classe dele, essas coisas… Eu, como sou despachada e falo mesmo, disse a ele que ninguém perde um baile de formatura de bobeira, ainda mais no Catharina, e, além disso, convites de baile são restritos aos convidados que realmente o formando gosta. Ele continuou na pirraça e foi embora.

No outro dia todo mundo se preparando para o baile, as meninas fazendo escova e unhas e o Marcos insistindo na história de que não ia, pois se sentiria mal no meio de tanta gente bonita e branca. Para mim isso é o fim do mundo!

Não só eu, mas muita gente que conhece o Marcos (como a Tamara e a Andreza) fala com ele que tem que acabar com esse preconceito interior. Só ele tem isso!

Por fim, ele resolveu ir ao baile, levando uma irmã mais velha (eu esqueci o nome dela), que é uma mulher super legal e que se valoriza. Ela dançava no meio de todo mundo, conheceu pessoas novas e reparei que não sente nenhuma restrição sobre sua cor. Como o Marcos deveria ser.

No baile, ela e o Marcos encontraram com uma pessoa conhecida. Mas teve determinada hora que esta pessoa passou perto deles e não os cumprimentou, talvez não os tenha visto, mas logo o Marcos disse: somos pretos, ela não iria nos ver. Eu escutei isso e virei uma fera: – “Para com isso, não tem nada a ver sua cor, branco e preto são todos iguais”. Ele calou-se e não discutimos mais sobre o assunto.

O Marcos sabe que adoro ele e que não tenho nenhum preconceito quanto à sua cor ou classe social, mas ele insiste em se achar inferior.

Até quando? Que herança discriminatória é essa que carrega, como se ainda vivesse no tempo da escravidão, onde os negros não tinham vez?

O mundo mudou, graças a Deus! Só continua vivendo com mentalidade de “Brasil Colonial”, com preconceitos, quem é pobre de espírito!

Beijos Lú

Anúncios

Sobre Ana Letícia

@analeticia Autora do blog Mineiras, uai! desde 2004, nasceu em Belo Horizonte-MG. É advogada e sagitariana. Gosta de poesia, literatura, fotografia música boa e dança clássica, contemporânea, de salão, etc. Já quis ser bailarina, como toda menina, e até hoje fica nas pontas dos pés. Participou do Projeto Macabéa com outros escritores blogueiros do Brasil, e foi uma das editoras do Castelo do Poeta, junto com seu primo, o saudoso poeta João Lenjob.

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s