"Diários de uma Viagem – Parte 2"

Padrão

Continuando a história da viagem, pessoal, com muita chuva na cuca, durante toda a estrada, chegamos em Cabo Frio.

Aliás, o detalhe da chuva eu tinha me esquecido de comentar…. Vcs acreditam que choveu desde a porta da minha casa, em BH, até chegar em Cabo Frio? É sério! Não tivemos um momento sequer de estiagem! Lá em CF, até o cair da noite de sexta, idem… chuva, chuva, chuva. Ficamos até um pouco preocupados, pois queríamos aproveitar a praia, pelo menos no sábado, e o tempo tava muuuuuito feio.

O sábado chegou e aí…. SOOOOLLLLLL! Muito sol! Aliás, não tinha uma nuvenzinha no céu sequer prá te contar a história… O mar estava de um verde azulado, cristalino, que não dá nem prá descrever. Deu prá ver os peixinhos nadando no rasinho, a areia branca (Ah! A areia branca e fina de CF é um show à parte!) no fundo, seus pés caminhando através da água… huuuummmm Só de lembrar lembro-me da deliciosa sensação de geladinho do mar refrescando a gente todo!

A noite de Cabo Frio é muito engraçada: tem o bobódromo oficial, e tem o Canal.

O Bobódromo Oficial é a orla da praia, avenida pavimentada e muito bem iluminada onde se tem, do lado da praia, um deque com parapeito, e do outro lado, restaurantes, botiques chiques, prédios de apartamentos de cair o queixo, hotéis, etc.

Resultado: a diversão do pessoal é ficar encostado no parapeito do deque (virado prá rua, é claro) e ver o “desfile”. Meninas com seus 13, 14 anos prá lá e prá cá, cochichando e dando risadinhas irritantes, geralmente de sainha, blusinha, plataforma, e uma bijoux comprada na feirinha perto da praia, ah, e é claro, o celular na mão.

Os meninos, geralmente usam um visual meio surfista, bermudão, boné, tênis skatista ou então havaianas.

Tá, tudo bem, isso daí é normal, até que ainda vai. Mas putz, ficar ali, sem fazer nada, horas e horas?! Ah, pelo amor de Deus, é muito sem graça, é muito BOBO, daí chamarmos de “Bobódromo”.

Mas os “boys” de CF é que são os maaaaais engraçados: TODOS tem um GOL, 1.0 L. O detalhe é que, também, TODOS incrementam o carro da mesma forma, parece até que foi combinado: dois canos de descarga à mostra prá parecer que o carro é turbo, rebaixam a suspensão, obrigando-os a circular a 2 km/h quando tem um “gelinho de bahiano” (ou “croquete”, como diz o “Zôi do Gú”) mínimo na pista, quebra-molas então, eles praticamente páram o carro. Além disso, insulfime pretão nas janelas, paradinha listradinha nos faróis baranguérrimas, e, prá tirar a tranqüilidade de qualquer um que esteja calmamente tentanto jantar ou conversar em um dos inúmeros restaurantes da orla, um mega som ligado “no talo”, tocando, obviamente, FUNK CARIOCA ou HIP HOP de péssima qualidade…. Sério mesmo? NINGUÉM MERECE!

Já o Canal, é mais chique, e tem restaurantes mais sofisticados, boates, etc. Tirando o cheiro, porque lá realmente tem um canal (do mar) passando, é muito legal ver os barcos de pescadores ancorados em meio a escunas turísticas incrementadas. O movimento por lá começa tarde, depois da meia-noite, horário em que os “bobos” do “Bobódromo” ficam tontos de tanto dar voltas em torno dos mesmos quarteirões e resolvem fazer o “footing” pros lados do Canal. Aí a coisa fica quente, a paquera rola solta. Entre aspas, é lá que as coisas acontecem, ou seja, as paqueras que rolaram no Bobódromo só se concretizam no Canal. Sacaram?

No domingo, nem curtimos praia, pois foi a prova da Prefeitura de Macaé, então saímos de casa bem cedo prá evitar trânsito, e nos dirigimos à cidade do “Ouro Negro” (p/ quem não sabe, é lá que fica a “Bacia de Campos”, e a Sede – de Extração de Petróleo – da Petrobrás).

Terminada a prova, estrada novamente, e aí adivinha quem nos acompanhou todo o trecho? A chuva, claro.

Dormimos em Juiz de Fora, pois já era bem tarde, e segunda de manhã pegamos a estrada, novamente com mais chuva.

Desta vez, na volta, não tinha mais “Jolivan”´s prá nos acompanhar, apenas os motociclistas sem capacete, proteção nem nada, a nos ultrapassar pela esquerda e quase fazer merda…

Só sei que não tivemos maiores problemas, e chegando em BH, um sol maravilhoso se abriu no céu, e lembrei da beleza desta terra que eu amo, com seu MAR…. de MORROS e MONTANHAS, seu clima agradável, suas pessoas bonitas e, o mais importante, a minha caminha!

Abração a todos, até mais ver

Ana Letícia

Anúncios

Sobre Ana Letícia

@analeticia Autora do blog Mineiras, uai! desde 2004, nasceu em Belo Horizonte-MG. É advogada e sagitariana. Gosta de poesia, literatura, fotografia música boa e dança clássica, contemporânea, de salão, etc. Já quis ser bailarina, como toda menina, e até hoje fica nas pontas dos pés. Participou do Projeto Macabéa com outros escritores blogueiros do Brasil, e foi uma das editoras do Castelo do Poeta, junto com seu primo, o saudoso poeta João Lenjob.

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s