Arsênico na relação

Padrão

várias 003

Então levantou-se, abriu a porta e, como quem não quer nada, sorriu. Sorriu como se nunca tivesse sorrido antes. Sorriu escancarando os dentes, abrindo bem a boca, deixando ver a língua bem vermelha, sentindo o bafo do último jantar – sopa de ervilha com bacon – soltando gargalhadas, uma atrás da outra, preenchendo o vazio do lugar que deixava em mim, reconhecendo em meus olhos lacrimosos a felicidade que um dia tivemos. Riu pra mim, riu de mim. Zombou de mim.
E num rompante de ódio e poder e excitação, quis correr ao seu encontro com a gana de um canibal. Queria comê-lo vivo, queria trucidar e retirar toda sua pele, queria que sofresse, e que sentisse a dor de estar me perdendo, pra sempre. Queria que reconhecesse que a culpa não foi minha, mas sim dele, o tempo todo. Gritei. Esgoelei. Joguei um vaso de porcelana em sua direção, que quebrou da quina da estante. Ele continuou rindo. Como você é ridícula – pensou. Pensei o mesmo, mas ao menos uma ridícula com razão, uma ridícula revoltada. E ele provocando.
Saiu sorrindo dali, como um psicopata deixa sua vítima escalpelada, maltratada, morta, esfaqueada, largada no meio do nada, sem sentir o menor remorso. Fechou a porta e não olhou pra trás. Permaneci ainda sentada na cama, chorando e vazia, com menos um vaso de porcelana. Com cacos pra catar, meus e os da peça de decoração, claro. Sem reação. Sem ninguém.
15 minutos depois o telefone tocou. Era ele. Atendi de birra, só pra ver o que mais tinha a me dizer. Logo descobri que não deveria ter perdido meu tempo. Disse que mandaria o boy do escritório trazer o meu aparelho de som e a escova-de-dentes – que estavam na casa dele – na segunda-feira. Mandei-o tomar naquele lugar.
(Um vidro de arsênico até que cairia bem numa hora dessas. Mas não, ele não merecia isso tudo.)
Liguei pro carinha da academia e combinei uma caminhada em volta da lagoa. Lavei o rosto, respirei fundo, e lá fui eu. Renovada, remarcada, remoída, re-amada.
Ana.
(texto e foto)
Ps.: Para minha amiga M.
Anúncios

Sobre Ana Letícia

@analeticia Autora do blog Mineiras, uai! desde 2004, nasceu em Belo Horizonte-MG. É advogada e sagitariana. Gosta de poesia, literatura, fotografia música boa e dança clássica, contemporânea, de salão, etc. Já quis ser bailarina, como toda menina, e até hoje fica nas pontas dos pés. Participou do Projeto Macabéa com outros escritores blogueiros do Brasil, e foi uma das editoras do Castelo do Poeta, junto com seu primo, o saudoso poeta João Lenjob.

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s