Um, Dois

Padrão
Feijão com arroz. Básico assim, final de semana sem maiores emoções…

Peraí! Eu disse “sem maiores emoções”? Se uma tia-avó com enxaquecas, familiares acidentados, irmãos desaparecidos e telefones celulares fora de área não representam nenhuma emoção para mim, só posso estar ficando louca mesmo!

Pois é, o final de semana não foi nada básico. Muitas emoções. Ruins, diga-se de passagem. Tudo bem que nem coloquei a cara pra fora da janela. Não, não foi o frio que se abateu por aqui somente, mas também as aflições que nos faziam correr no primeiro segundo de cada toque de cada telefonema, à espera de notícias: da tia-avó, dos familiares acidentados, do irmão n° 1 e ou do irmão n° 2. Nem o sambinha esperto no A Gosto de Deus, convite da Dô, me fez querer entrar na roda… E neste tempinho, nada com um cinema em casa!

E foram dois filmes legaizinhos:

Edukators

(Título original: Die Fetten Jahre sind vorbei)

Para mim a melhor surpresa deste filme foi me deparar com Daniel Brühl, o brilhante ator de Adeus Lênin (que se você ainda não viu, está perdendo tempo, pois simplesmente é um dos melhores filmes que já assisti na minha vida, sem exagero). Isto sem contar, é claro, com o desenrolar da história, que é sempre surpreendente, uma emoção atrás da outra, e o final então… (Bem, não posso contar aqui, né!) A trilha sonora também é um detalhe à parte, e a paisagem então… Aff! De tirar o fôlego! Só adianto que o filme é sobre uma dupla de rebeldes contemporâneos, que expressam sua indignação de forma pacífica: eles invadem mansões, trocam móveis e objetos de lugar e espalham mensagens de protesto. Interessou? Pois é, assista, vá na fé, que eu recomendo!

Cafundó

Aluguei este filme no escuro. Vi que era com o como personagem principal Lázaro Ramos e com a direção de Paulo Betti e aluguei. Nunca tinha ouvido falar, ninguém me disse nada, ao contrário do Edukators, que o mocinho da locadora de pronto me disse que era “muito, muito bom”. Então, o Cafundó é um filme assim… assim… Não sei explicar. É até interessante, a história é bem diferente, é adaptação de um livro, que conta a história de vida de Nhô João de Camargo. Preto Velho milagreiro, ele viveu no Brasil no final do Século XIX e início do Século XX em Sorocaba, interior do estado de São Paulo. Como a maioria dos filmes nacionais, achei um pouco lento, e a edição meio estranha, principalmente do princípio até quase a metade do filme, mas para quem curte a história do país deste período, e a cultura negra africana, é bem bacana. E ah! A fotografia é cuidadosa, mostrando lugares maravilhosos! Resumindo: recomendo só pra quem estiver a fim de assistir mesmo, se prender aos detalhes, e pessoas que gostam de tudo isso que falei.

(Só para as mulheres: o Lázaro aparece nu em algumas cenas… E que nu, viu!!!)

Ana.
Anúncios

Sobre Ana Letícia

@analeticia Autora do blog Mineiras, uai! desde 2004, nasceu em Belo Horizonte-MG. É advogada e sagitariana. Gosta de poesia, literatura, fotografia música boa e dança clássica, contemporânea, de salão, etc. Já quis ser bailarina, como toda menina, e até hoje fica nas pontas dos pés. Participou do Projeto Macabéa com outros escritores blogueiros do Brasil, e foi uma das editoras do Castelo do Poeta, junto com seu primo, o saudoso poeta João Lenjob.

COMENTE!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s